Brasil, DESTAQUE, Esportes, Saúde

Paratleta reabilitado no INTO conduz a tocha na abertura dos jogos Paralímpicos

O fundista Marcio Miranda é um dos selecionados para a competição dos 5 mil metros

atleta-paraoilimpico

Na última quarta-feira (7/9), o paratleta e ex-eletricista Marcio Miranda, 40 anos, experimentou uma sensação semelhante à de ganhar uma medalha de ouro. Marcio percorreu 2,5 quilômetros conduzindo a tocha paralímpica durante o percurso final para a abertura dos jogos Paralímpicos 2016. Competindo profissionalmente como velocista e fundista, desde que iniciou a reabilitação no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (INTO), há três anos, Marcio acumula várias vitórias, já tendo conquistado 45 medalhas e 39 troféus.

O paratleta vive em Nova Iguaçu, Região Metropolitana do Rio de Janeiro, e participa de competições de 1,5 mil, 5 mil e 10 mil metros. Na Paralimpíada é um dos selecionados para a competição dos 5 mil metros. “Recomendo a prática de esporte para todos. Nunca é tarde para começar a competir, não existe isso de idade. Se minha história inspirar outras pessoas, já me sinto recompensado”, conta Marcio.

Sua trajetória no esporte começou após superar um grave acidente. Marcio perdeu os dois antebraços há cinco anos, em uma descarga elétrica enquanto trabalhava. A reabilitação de casos como o de Marcio é considerada complexa pelos especialistas. Mas como nas pistas de corrida, onde a busca por novas vitórias motiva o paratleta, no trabalho de reabilitação outras conquistas ganham destaque, como conseguir segurar novamente a filha Vitória, de seis anos, no colo. “Às vezes pensamos que não, mas somos capazes de fazer muita coisa”, revela.

Reabilitação

No INTO, unidade de referência para o atendimento de alta complexidade em traumatologia e ortopedia no Ministério da Saúde no Rio de Janeiro, Marcio é um dos paratletas estreantes do apartamento funcional recém-aberto no instituto. O espaço terapêutico atende casos de pacientes que passaram a conviver com maiores limitações funcionais, como amputações, paralisia e deformidades. Focado em garantir a autonomia do paciente na realização de tarefas básicas de higiene, vestuário e alimentação, o apartamento funcional utiliza soluções técnicas que se adaptam a tarefas simples do dia-a-dia.

Adriano Schimit, para o Blog da Saúde

Fonte: http://www.blog.saude.gov.br/index.php/geral/51618-paratleta-reabilitado-no-into-conduz-a-tocha-na-abertura-dos-jogos-paralimpicos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

three × 3 =